Norma EN 15038

0 comments

A norma europeia EN 15038 visa certificar os serviços de tradução em
conformidade, através de um processo de auditoria independente, não se
limitando apenas a certificar a existência de um sistema de gestão da qualidade,
mas também a implementação e o cumprimento de uma série de requisitos e
procedimentos necessários, em que a tónica seria colocada no produto e na
elevada qualidade do serviço prestado pelos próprios TSPs.
Pretende-se identificar uma consonância de perspectivas que uniformizem
as práticas da indústria e profissão, de forma a contribuir para a eventual
clarificação de questões relacionadas com a profissionalização dos serviços.
Estes são alguns dos objectivos que presidem à implementação da norma: o
aumento da consciencialização, sensibilização e transparência na oferta, a maior
clareza nas relações entre o cliente e o fornecedor/prestador de serviços de
tradução, a definição clara do âmbito e abrangência das relações estabelecidas e,
ao mesmo tempo, o estabelecimento de parâmetros claros de regência dos
procedimentos profissionais, o estabelecimento de regras claras ao nível da
relação entre as empresas de tradução e os tradutores individuais que com elas
trabalham em regime de colaboração ou subcontratação e, por último, um melhor
entendimento das tarefas envolvidas na definição e prestação de um serviço de
tradução de elevada qualidade, fomentando e desenvolvendo, ao mesmo tempo,
uma cultura organizacional colaborativa entre as empresas aderentes aos seus
requisitos normativos.
A “Norma sobre os Serviços de Tradução EN 15038” apresenta alguns
pontos que importa equacionar. Desde logo, e à partida, o próprio conceito de
tradutor acaba por ser totalmente redefinido através da introdução da
nomenclatura TSP ou Translation Service Provider (Fornecedor de Serviços de
Tradução), ou seja, “a person or organisation supplying translation services” (EN
15038:2006, alínea 2.18, pág. 6) e, sobretudo, estabelecendo a distinção entre esse
translation service provider (TSP) e o tradutor, este último como “person who
translates (2.17), no sentido simplificado de “render information in the source
language into the target language in written form.” (EN 15038:2006, alínea 2.17,
pág. 6).

A norma europeia especifica ainda os requisitos básicos para o TSP (Translation
Service Provider) relativamente aos recursos técnicos e humanos, gestão e política
ou práticas de qualidade, gestão de projectos, estrutura contratual, a relação
cliente/TSP, bem como os procedimentos envolvidos na prestação de um serviço
de qualidade, abordando parâmetros e rubricas diferenciadas, como, por exemplo:
serviços de valor acrescentado, locale, linguagens controladas, gestão de projectos,
gestão da qualidade, pré-edição, pós-edição; checking, reviser/proofreading;
reviewer/review, project registration details ou diário do projecto, project
registration, project assignment, guia de estilo, entre outros.
De igual forma, a norma EN15038 para os Serviços de Tradução estabelece
toda uma série de requisitos básicos necessários para o perfil do futuro tradutor,
nos quais são incluídas e descritas algumas valências e competências como, por
exemplo, Gestão dos recursos humanos, Competências translatórias, Competência
linguística e textual na LP e LC, Competência de investigação, aquisição e
processamento da informação, Competência cultural,